Caixa anuncia desconto e pausa em prestação de financiamento imobiliário


icone facebook icone twitter icone whatsapp icone telegram icone linkedin icone email

O anúncio foi feito durante transmissão pelas redes sociais da Caixa na manhã de hoje. As medidas são uma tentativa de trazer alívio ao bolso da população em meio à pandemia do coronavírus, segundo o presidente do banco federal.
A redução, segundo Guimarães, será de 25% a 74,99% no valor das prestações do financiamento e poderá ser solicitada pelos clientes por meio do aplicativo Habitação Caixa. O prazo de redução é de seis meses para os que pedirem desconto de até 25% no valor da prestação. Para os descontos de 25% a 74,99% o prazo é de três meses. Os clientes que necessitarem de redução acima de 75% do valor da prestação devem apresentar comprovação documental da perda de renda para avaliação da Caixa.

Pausa nas prestações O presidente da Caixa também anunciou que o banco vai oferecer uma pausa no pagamento das prestações de financiamento imobiliário para clientes que estão recebendo o auxílio emergencial 2021 ou seguro-desemprego. O prazo de suspensão será de seis. Tanto o auxílio como o seguro-desemprego são pagos pela Caixa, que tem os dados dos beneficiários.Os pedidos também poderão ser feitos pelo aplicativo Habitação Caixa ou pelo telefone 0800 104 0104. Valores serão cobrados até o final do financiamento Os valores não pagos durante o período de pausa ou pagamento parcial, de acordo com o percentual escolhido, serão incorporados ao saldo devedor do contrato e diluídos no prazo remanescente. 

De acordo com a Caixa, o contrato não está isento da incidência de juros remuneratórios, seguros e taxas. A taxa de juros e o prazo contratados inicialmente não sofrem alteração. "O acréscimo [no valor da prestação] será muito pequeno e ao longo do tempo. Se usar redução de 25% em seis meses, não vai voltar num mês só ou em seis meses, volta durante todo tempo restante do crédito imobiliário. Se faltar mais dez anos, vai voltar na proporção dos próximos dez anos", disse Guimarães.


Fonte: UOL

« Voltar